18/04/2021

CONEXÃOJARU

CONECTADO COM VOCÊ(69)984310175

Confira os 5 brasileiros mais ricos

Bebidas, saúde e bancos. A fortuna dos maiores bilionários brasileiros vem de setores tradicionais

O carioca Marcel Hermann Telles, um dos sócio-fundadores da 3G capital e acionista da gigante de bebidas AB Inbev, aparece em 191° lugar no ranking geral e em primeiro lugar no ranking de brasileiros. Telles tem uma fortuna estimada em US$ 11,5 bilhões.

Em segundo lugar, está o médico cardiologista Jorge Neval Moll, fundador da Rede D’Or São Luiz, a maior rede integrada de saúde do Brasil e presente em nove estados. Moll está na posição 194 no ranking geral, com US$ 11,3 bilhões.

Após a morte do banqueiro Joseph Safra, em dezembro do ano passado aos 81 anos, os herdeiros de Safra aparecem pela primeira vez no ranking, com uma fortuna estimada em US$ 7,1 bilhões. Alberto, David, Esther e Jacob Safra, que herdaram a fortuna do pai, estreiam no ranking da Forbes este ano.

No ano passado, o banqueiro foi considerado a pessoa mais rica do Brasil, com um patrimônio estimado em R$ 119,1 bilhões, e até então o banqueiro mais rico do mundo, segundo a revista.

Dulce Pugliese de Godoy Bueno também aparece na lista. Ela fundou a empresa de cuidados de saúde Amil, em 1972, ao lado de Edson de Godoy Bueno, falecido em fevereiro de 2017. Ela tem uma fortuna de US$ 6 bilhões.

O fundador da empresa de fertilizantes Fertipar, Alceu Elias Feldmann, tem uma fortuna de US$ 5,4 bilhões. A empresa tem faturamento de US$ 1,7 bilhão.

Jorge Paulo Lemmann e sua família, com uma fortuna de US$ 16,9 bilhões, não aparecem na lista dos brasileiros mais ricos. Isso porque o bilionário aparece listado como tendo residência na Suíça, e não no Brasil.

Posição no ranking geral Nome Fortuna Setor de atuação
191. Marcel Herrmann Telles US$ 11,5 bilhões Alimentos e bebidas
194. Jorge Moll Filho e família US$ 11,3 bilhões Saúde
358. Irmãos Safra US$ 7,1 bilhões Finanças e investimentos
451. Dulce Pugliese de Godoy Bueno US$ 6 bilhões Saúde
520. Alceu Elias Feldmann US$ 5,4 bilhões Energia